fbpx

Novo escândalo no sistema judicial haitiano, o CSPJ acaba de apanhar 30 magistrados por razões graves

CTN News

Este é o escândalo do início deste ano de 2023. E diz respeito ao sistema judicial haitiano, que já é criticado e tem pouca credibilidade aos olhos do público. De facto, o Conselho Superior da Magistratura, o órgão regulador e administrativo do sistema judicial haitiano, acaba de tornar pública a acta do seu retiro profissional que teve lugar de 11 a 13 de Janeiro. Durante esta reunião, o secretariado técnico teve de se pronunciar sobre os processos de mais de 69 magistrados, incluindo juízes e comissários governamentais, transmitidos pela Comissão Técnica de Certificação (CTC) para a certificação ou não de magistrados sentados e permanentes.

No final deste retiro, o relatório do secretariado técnico é condenatório. “No final da análise ou processamento destes 69 processos, há 31 magistrados certificados e 28 não-certificados”, revela o relatório.
Os magistrados não certificados são acusados de delitos graves tais como: falta de integridade moral, abuso de autoridade, facilitação do alargamento de criminosos notórios, qualificações académicas insuficientes, embriaguez, entre outros.
O relatório, que já foi enviado ao Ministro da Justiça para o necessário acompanhamento, inclui nomes bem conhecidos da magistratura haitiana que tratam de casos que têm feito manchetes, tais como Brédy Fabien, Gary Orelien, Ikenson Edumé, Ramoncite Accimé, Yvon Jean-Noel e o actual comissário governamental de Port-au-Prince, Jacques Lafontant.

Este caso, que está a causar agitação na sociedade, é uma bofetada na cara do poder judicial, segundo comentadores e analistas que vêem pouco progresso e independência num sistema tão “corrupto e podre”.
Se o caso suscita uma onda de reacções e críticas, isto não faz com que o comissário governamental da capital, o famoso Jacques Lafontant, que numa entrevista com colegas na segunda-feira, 17 de Janeiro de 2023, no Ministério Público, declarou, e cito: “Estou em dívida para com duas pessoas: Jesus Cristo no Céu e Ariel Henry”, especificando de antemão que ninguém saberia como “forçá-lo a demitir-se” apesar do escândalo.

Deve também notar-se que as actas do secretariado técnico do CSPJ também contêm os nomes dos 31 magistrados certificados pelo conselho. Entre eles estão o actual decano do tribunal de primeira instância de Port-au-Prince, Juiz Chavannes Etienne, Wilfrid Brutus, decano do tribunal de primeira instância de Fort-Liberté, Merlan Melabre, Jean Claude Dabrésil, Myrlande Borgella.

Editor: Pierre Philor Saint-Fleur

you're currently offline